Quando uma fotografia, um monumento e um texto literário tornam-se fontes históricas!

  • Elmha Coelho Martins Moura UNILA - Universidade Federal da Integração Latino-Americana
  • Andreia Dalcin Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Adriel Gonçalves Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Resumo

Nosso objetivo é debater a apropriação das fontes históricas: fotografias, monumentos e textos literários por pesquisadores da área de Educação Matemática, a partir de uma perspectiva metodológica, dialogando com autores da História Cultural. Tais fontes por vezes, ainda estão à margem das discussões no campo da História da Educação Matemática, talvez pelas dificuldades inerentes de uma abordagem metodológica consistente, ou, por serem documentos que flertam com a subjetividade e exigem uma aproximação com o campo das Artes, ou ainda possivelmente, pela escassez de pesquisas que lhes deem protagonismo. Ao longo da live serão apresentados exemplos de exercícios de análises e sugestões de leituras.

Palavras-chave: Educação Matemática, História Cultural, Historiografia.

Biografia do Autor

Elmha Coelho Martins Moura, UNILA - Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professora da Universidade Federal da Integração da Latino- Americana (UNILA), Brasil. E-mail: elmha.moura@unila.edu.br.

Andreia Dalcin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. E-mail: andreia.dalcin@ufrgs.br.

Adriel Gonçalves Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutor em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil. E-mail: adrielgoliver@gmail.com.

Referências

Borges, M. E. L. (2003). História e Fotografia. Belo Horizonte: Autêntica.

Burke, P. (2000). Variedades de História Cultural. São Paulo-Rio de Janeiro: Civilização Brasiliense.

Burke, P. (2004). Testemunha Ocular: História e imagem. Bauru: Educs.

Burke, P. (2010). A Escola dos Annales 1929-1989: a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora da Unesp.

Dalcin, A.(2018). Fotografia, História e Educação Matemática: Apontamentos para pesquisas sobre a cultura escolar. Revista de História da Educação Matemática, v. 1, p. 20-38.

Faria. E. (1962) Dicionário escolar latino-português. Brasil: Ministério da Educação e Cultura.

Febvre, Lucien. Combates pela História. Lisboa: Editorial Presença, 1989.

Ginzburg, C. (2007). O fio e os rastros: verdadeiro, falso e fictício. Cia das Letras. São Paulo.

Iser, W. (2013). O fictício e o imaginário: perspectivas de uma antropologia literária.tradução de Johannes Kretschmer. 2 ed. Rio de Janeiro. edUERJ.424 p.

Knauss, P. (1999). Cidade Vaidosa: imagens urbanas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Sette Letras.

Le Goff, J. (1992). História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp.

Le Goff, J.(2003). História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp.

Martins J. S. (2008). Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto.

Moura, E. C. M. (2018). Monumentos Arquitetônicos: uma Fonte de Pesquisa em História da Educação Matemática. HISTEMAT, 22 (3), 170-182. Disponível em: http://histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/242.

Publicado
2020-11-03
Como Citar
Coelho Martins Moura, E., Dalcin, A., & Gonçalves Oliveira, A. (2020). Quando uma fotografia, um monumento e um texto literário tornam-se fontes históricas!. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (5), 1-6. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/11176
Seção
Lives Submetidas