A ludicidade como dispositivo pedagógico: um processo de aprendizagem

Juçara Aparecida Oliveira, Milene Bartolomei Silva

Resumo


O presente artigo informa sobre uma pesquisa que tem como proposta encontrar professores da Educação Infantil com pedagogia voltada para o lúdico. Como objetivo inicial, a pesquisa busca verificar o papel da ludicidade como dispositivo pedagógico para o processo de aprendizagem das crianças da Educação Infantil e qual o olhar reflexivo que esse professor tem da sua importância na Instituição de Infância. A metodologia utilizada foi a denominada de pesquisa qualitativa, segundo a qual se utiliza um questionário com questões abertas, referentes à docência com o lúdico, para os professores do Centro Integrado de Educação Infantil ─ CIEI, do município de Jardim/MS. A fundamentação teórica foi desenvolvida mediante análise bibliográfica e concepções teóricas de Ariés (1981), de Kishimoto (1994, 1998, 2011), de Huizinga (2012), de Oliveira (2011), entre outros relacionados ao tema em questão. Os resultados obtidos demonstram que os professores sabem que não devem ser apenas expectadores em sala de aula, mas participantes ativos nas brincadeiras, e que o brincar é fundamental na Educação Infantil. Eles, por isso, sabem que devem estar sempre interagindo com as crianças nos momentos das brincadeiras e nas atividades lúdicas, pois isso incrementa significativamente o desenvolvimento das crianças na idade da Educação Infantil.


Palavras-chave


Professor. Ludicidade. Aprendizagem. Educação Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ARIÉS, Philippe. O sentimento da infância ─ descoberta da Infância. In: História social da infância e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

BRASIL, Constituição Federal do Brasil, Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990.

BRASIL. Brinquedos e brincadeiras nas creches. Brasília, DF: Unicef, 2012.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da educação Infantil. Brasília, 1997.

BRASIL. MEC. Parâmetros Nacionais de qualidade da Educação Infantil. Volume I e II, Brasília: 2006.

BRASIL, MEC. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 30. ed. Rio de Janeiro: Record, 1995.

FRIEDMAN, A. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 2005.

GIL, Antônio Carlos. Método e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999. p. 42.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, nº 2, abr. 1995.

HUIZINGA, Johan. O jogo como elemento da cultura. Trad. João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 2012.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. Cengage Learning Edições, 1994. p. 15.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida, O brincar e suas teorias. Cengage Learning Edições, 1998. p. 149, 151.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.), Jogo, brinquedos brincadeiras e educação. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2011. p. 41, 43, 106.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

KUHLMANN JR., Moysés; FREITAS, Mário C. (Orgs.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002.

KUHLMANN JR., Moysés. História da educação infantil brasileira. In: Revista Brasileira de Educação. Campinas (Editora Autores Associados), nº 19, jan./fev./mar./abr. 2000.

OLIVEIRA, Zilma de Morais Ramos Jogo de papéis, um olhar para as brincadeiras infantis. São Paulo: Cortez, 2011. p. 78.

STEARNS, Peter. A infância. São Paulo: Contexto, 2006 (Coleção Histórica Mundial).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

 ISSN: 2358-1840

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported .