Itaporã e o Grupo Escolar Antonio João Ribeiro (1953-1974)

Claudiani Rodelini

Resumo


O presente artigo  comunica os resultados da investigação acerca  do Grupo Escolar Antonio João Ribeiro  de Itaporã. A ideia é discutir as condições políticas e sociais decisivas na implantação do Grupo Escolar Antônio João Ribeiro, suas formas de funcionamento, bem como suas práticas cotidianas e dos distintos agentes sociais da comunidade . A delimitação do período se estabelece entre os anos de 1953 a 1974 e justifica-se pela criação do município de Itaporã, por meio da Lei Municipal 659, de 10 de dezembro de 1953. O ano de 1974 refere-se à data em que o Grupo Escolar definitivamente elevou-se a escola de 1º Grau - passando a denominar-se Escola Antônio João Ribeiro. Busquei dados nos núcleos de documentação (CDR/MS e NDHIR/MT), onde estão reunidos os documentos oficiais, jornais da época e relatórios oriundos da Diretoria Geral da Instrução Pública de Mato Grosso. Recorri também aos materiais reunidos no arquivo da escola e nos acervos privados fornecidos por alguns moradores da cidade de Itaporã-MS. Também foram incorporados ao trabalho depoimentos orais fornecidos por sujeitos que vivenciaram o cotidiano do Grupo Escolar Antônio João Ribeiro no período escolhido para o estudo. Percebi que em Mato Grosso havia uma preocupação, por parte dos governantes, de se criar novas escolas e instruir a população, sendo o Grupo Escolar  meio difusor dos ideais que levaram à busca pela modernidade e progresso.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAKAKI, Suzana. Dourados: memórias e representações de 1964. Dourados, MS: Editora UEMS, 2008.

BURKE, Peter. Testemunha Ocular. Bauru, SP: EDUSC, 2004.

CHARTIER, Roger A. História Cultural. Entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil / Lisboa: Difel, 1990.

___________________. O mundo como representação. In: CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002.

CORDEIRO, Aurenô Arnaldo. A vida e os sonhos de um nordestino parente de todos. Campo Grande: Centro gráfico Ruy Barbosa, 2010.

CORDEIRO, C. Aurena. Depoimento (mar. 2014). Entrevistadora: Claudiani Rodelini. Itaporã - MS, 2014.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de; VIDAL, Diana Gonçalves. Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Campinas: Mercado de Letras, 2000, p.21-56.

FERREIRA, Jurandyr Pires (Org.). Enciclopédia dos Muncípios Brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 1958.

HOBSBAWM, Eric J. On history. New York: New Press, 1997

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, nº 1 (jan/jun), 2001, p.9-43.SOUZA (2007)

MATO GROSSO. Lei Estadual Nº 659 de dezembro de 1953. Criação da Escola Reunida de Itaporã, 1953.

MATO GROSSO. Decreto Estadual 1.927 de 1954. Criação da Escola Reunida de Itaporã, 1954.

MATO GROSSO. Mensagem apresentada à Assembleia Legislativa pelo Governador do Estado de Matto-Grosso Fernando Corrêa da Costa, por ocasião do inicio da Legislatura de 1955. Imprensa Oficial. Cuiabá, Arquivo Público de Mato Grosso, 1955.

MATO GROSSO. Resolução para o Ensino Primário nº 19, 1972. Arquivo Público de Mato Grosso, 1972.

O PROGRESSO. Dourados - década de 1950. Arquivo do jornal O Progresso de Dourados: 1953.

SOUZA, Rosa F. Templos de Civilização: A Implantação da Escola Primária Graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1998.

______________. História da Cultura Material Escolar: um balanço inicial. In: BENCOSTTA, Marcus Levy Albino (Org.). Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. São Paulo: Cortez, 2007, p. 163-189.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

 ISSN: 2358-1840

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported .