A Formação de Professores de Matemática em Cassilândia na Década de 1990

Tatiana Rozalia Guedes, Thiago Pedro Pinto

Resumo


Este artigo apresenta um recorte da pesquisa de mestrado sobre a formação de professores de Matemática em Cassilândia – MS, focada no curso de Ciências com Habilitação em Matemática da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), criado em 1994, época em que os cursos de Ciências já estavam em extinção. Utilizamos a História Oral como metodologia de pesquisa, que nos permitiu produzir fontes históricas intencionalmente, na criação de uma narrativa a respeito do curso. Realizamos sete entrevistas, investigamos em documentos oficiais da universidade e em notícias de jornais para nos ajudar a construir a nossa história. Fizemos alguns apontamentos, como: a influência política para a implantação da UEMS; questões políticas e rivalidades partidárias se sobrepuseram aos interesses educacionais; a carência de professores de Matemática em Cassilândia e região. Criamos a nossa narrativa, tecemos nossas compreensões acerca da criação e extinção do curso de Ciências da UEMS em Cassilândia.


Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque Júnior, D. M. (2007). História: a arte de inventar o passado; ensaios de teoria da História. Bauru: Edusc.

Albuquerque Júnior, D. M. (2011). Em estado de palavra: quando a história não consegue que se meta fora a literatura, In. M. B. R. Flores & M. de F. F. Piazza, M.F.F. (Org.). História e arte: movimentos artísticos e correntes intelectuais. (pp.249-261). Campinas: Mercado de Letras.

Amaral, M. O. (2002). A Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: a criação, a implantação e a aventura do início da caminhada 1979 – 1998. Dissertação de Mestrado em Educação. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.

Bolívar, A., Domingo, J. & Fernández, M. (2001). La investigación biográfico-narrativa em educación – enfoque y metodologia. Madrid: La Muralla.

Bolívar, A. B. (2002). De nobis ipsis silemus?: Epstemoligia de la investigación biográfico-narrativa en educación. In Revista Eletrónica de Investigación Educativa, 04 (1), 1-26. Disponível em: Acesso em 25.02.18.

Brito, A. de J. & Souza, L. A. de S. (2016). Cursos emergenciais de licenciatura para professores que ensinam matemática. Revista de História da Educação Matemática, 2 (3), 149-167.

Bruner, J. (2014). Fabricando Histórias: Direito, Literatura, Vida. Tradução de F. Cássio. São Paulo: Letra e Voz.

Conselho Federal De Educação. (1974). Resolução nº 30, de 11 de julho de 1974. Fixa os mínimos de conteúdo e duração a observar na organização do curso de licenciatura em Ciências. CFE. Documenta, Brasília, 164, p. 509-11.

Conselho Federal De Educação. (1975). Resolução nº 37, de 26 de março de 1975. Dispõe sobre a implantação progressiva do curso de licenciatura em Ciências, a que se refere a Resolução nº 30/74. Alterado pela R. 05/1978. CFE. Diário Oficial, Brasília, 26 de março de 1975. Seção 1, pt. 1, p. 3.635.

Conselho Nacional de Educação. (1999). Resolução CES nº 2 de 19/05/1999. Dispõe sobre a plenificação de licenciaturas curtas por faculdades e faculdades integradas do sistema federal de ensino.

Faria, S. C. (2013). Processo de expansão e de interiorização da universidade estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e a democratização da educação superior (1993 - 2010). Tese de Doutorado em Educação. Campo Grande: Universidade Católica Dom Bosco.

Ferronato, E. T. T. (2008). Políticas de educação superior e as universidades estaduais: um estudo sobre os cursos noturnos da universidade estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS. Dissertação de Mestrado em Educação. Campo Grande: Universidade Católica Dom Bosco.

Figueiredo, S. A. de. (2015). Formação inicial de professores e a integração da prática como componente curricular na disciplina de matemática elementar. Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Universidade Anhanguera de São Paulo.

Freitas, J. B. de. (2001). Contribuições do curso de ciências – habilitação matemática da UEMS para a formação de professores: concepções e avaliações de seus alunos. Dissertação de Mestrado em Educação. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.

Garnica, A. V. M., Fernandes, D. N. & Silva, H. da. (2011). Entre a Amnésia e a Vontade de Nada Esquecer: notas sobre regimes de historicidade e história oral. Bolema, 25 (44), 213-250.

Garnica, A. V. M. (2012). (Re)traçando trajetórias, (Re)coletando influências e perspectivas: uma proposta em História Oral e Educação Matemática, In M. A. V Bicudo & M. de C. Borba. Educação matemática: pesquisa em movimento (pp. 165-178). São Paulo: Cortez.

Garnica, A. V. M. (2013). História Oral e Educação Matemática, In M. de C. Borba & J. de L. Araújo. Pesquisa qualitativa em educação matemática (pp. 87-95). Belo Horizonte: Autêntica.

Lejeune, P. (2008). O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Tradução de J. M. G. Noronha & M. I. C. Guedes. Belo Horizonte: UFMG.

Martins-Salandim, M. E. (2012). A interiorização dos cursos de matemática no estado de São Paulo: um exame da década de 1960. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista.

Pereira, D. M & Pietropaolo, R. C. (2016). Uma análise das normatizações nacionais do século 20 para os cursos de formação inicial de professores de matemática da educação básica. Research, Society and Development, 1 (1), 63-87.

Silva, C. R. M. (2015). Uma, Nove ou Dez Narrativas sobre as Licenciaturas em Ciências e Matemática em Mato Grosso do Sul. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista.

Souza, L. A. de, & Silva C. R. M. da. (2015). Narrativas e História Oral: possibilidades e investigação em educação matemática. São Paulo: Livraria da Física.

Viola dos Santos, J. R. & Lins, R. C. (2016). Movimentos de teorizações em Educação Matemática. Bolema. 30 (55), 325-367.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.