Mobilizando o raciocínio proporcional na resolução de questões percentuais via uso de funções lineares

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de mostrar resultados e análises de dados das 3 últimas questões de uma avaliação, que contou com um total de 6 questões (as 3 primeiras questões  foram objeto de análise em outro artigo). A avaliação foi proposta em sala de aula de um colégio público federal localizado em uma grande cidade, capital de estado, para alunos de uma turma da 1ª série do ensino médio e foi entregue por 12 alunos (houve 10 faltas, e 6 alunos não a entregaram). O propósito que norteou o estudo foi descrever a natureza das soluções dos sujeitos - conforme o nível de mobilização do raciocínio proporcional em relação à determinação de aumentos e de decréscimos percentuais de valores e quantias - de modo a conhecer e identificar como se deu a natureza das intervenções de ensino encaminhadas pelo professor. A avaliação deu-se na aula seguinte ao término do desenvolvimento e exploração de conceitos associados ao exercício do raciocínio proporcional via conceitos pertinentes às funções lineares, durante reflexões feitas quando da resolução de questões de Matemática Financeira, ao longo de 4 aulas, duração de 40 minutos cada. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, na modalidade pesquisa-ação estratégica, segundo a qual a análise dos dados constituiu o mote para apontar indicações a respeito da apropriação do raciocínio proporcional. Os resultados mostraram que a metodologia e os procedimentos de resolução desenvolvidos para este universo de situações pouco atraíram os sujeitos de estudo como uma alternativa de resolução.

Biografia do Autor

Paulo Jorge Magalhães Teixeira, Instituto de Matemática e Estatística da UFF - Universidade Federal Fluminense, Departamento de Análise.

Doutor em Educação Matemática, Mestre em Álgebra, área de pesquisa: Formação de Porfessores. Ensino e Aprendizagem de Combinatória, Probabilidade e Estatística. GAN - Departamento de Análise, IME - Instituto de Matemática e Estatística, UFF - Universidade Federal Fluminense.

Referências

COBB, Paul; CONFREY, Jere; DiSESSA, Andrea; LEHRER, Richard; SCHAUBLE, Leona. Design Experiments in Educational Research. American Educational Research Association, v. 32, n.1,jan/fev, p.9-13, 2003.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia da Pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo SP, v. 31, n. 3, set/dez, p.483-502, 2005.

Disponível em: https://www.scieo.br/pdf/ep/v31/n3/a11v31n3.pdf. Acesso em: 19 dez. 2019.

FISCHBEIN, Efrain. The interaction between the formal, the algorithmic and the intuitive components in a mathematical activity. In: Didactics of Mathematics as a Scientific Discipline. Mathematics Education Library. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2013.

LIMA, Elon Lages. Grandezas Proporcionais. In: Meu Professor de Matemática e outras histórias. Rio de Janeiro. RJ: IMPA Instituto de Matemática Pura e Aplicada. VITAE Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social, p.125-141, 1991.

TEIXEIRA, Paulo Jorge Magalhães. Análise da produção de alunos do 7o ano do Ensino Fundamental, veiculada em cartazes, acerca da presença ou não de proporcionalidade em situações cotidianas de preços de produtos. TANGRAM – Revista de Educação Matemática, v.3, n.2, p.110-137, 2020a.

TEIXEIRA, Paulo Jorge Magalhães. Mobilizando o raciocínio proporcional na resolução de problemas de percentual. REVEMAT – Revista Eletrônica de Educação Matemática. v.15, p.01-21, jan/dez, 2020b.

SHULMAN, Lee S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v.15, n.2, p.4-14, 1986.

TALL, David e VINNER, Shlomo. Concept image and concept definition in mathematics with particular reference to limits and continuity. Educational Studies in Mathematics, v.12, p. 151-169, 1981.

Publicado
2021-06-30