Nas páginas da imprensa: intelectuais e cotidiano em Mato Grosso (1880-1920) – caminhos teórico-metodológicos para a pesquisa histórico-educacional

  • Adriana Aparecida Pinto Professora Adjunto III nos cursos de Graduação e Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados/MS. Concluiu Estágio de Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em História - UNESP Assis/SP (2017-2018) sob Supervisão da Prof. Dra. Tania Regina de Luca.

Resumo

O presente artigo evidencia o exercício de pesquisa histórica partindo do usos dos impressos de natureza periódica como documentação principal, assim constituídos como fontes de pesquisa, visando à investigação de aspectos que, embora possam ser isolados como objetos de análise historiográfica, inter-relacionam-se na convergência de um cenário comum – a configuração cultural do território mato-grossense, entre os anos de 1880 a 1920. Ao tomar a imprensa como fonte principal para a compreensão de aspectos da sociedade que se inscreve (PINTO, 2001; 2013; 2017, 2018), opacionados em fontes de outra natureza, busca-se apreender em que medida esses dispositivos foram utilizados para a promoção e difusão do ideário que reforçava a busca por modernidade e alçar as localidades em que circulavam à condição de país civilizado. Partimos do pressuposto que, em Mato Grosso, a imprensa deve ser colocada ao lado dos progressos materiais que gradativamente chegaram ao território na segunda metade do século XIX, constituindo-se ela mesma num agente transformador da sociedade e disseminador de cultura.

Publicado
2019-03-21
Seção
Artigos