Ensinar a Ensinar Aritmética na Escola Renovada Mineira: inovação dentro da tradição

  • Diogo Alves de Faria Reis Docente da Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG
  • Maria Laura Magalhães Gomes Docente da Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG

Resumo

Este trabalho é parte de uma investigação sobre práticas educativas e propostas de formação de professores para os anos iniciais da educação escolar no que se refere à Matemática, em Belo Horizonte, no período de 1927 a 1950, a partir do Arquivo Pessoal Alda Lodi (APAL). Procuramos compreender as concepções de ensino e estratégias adotadas por Alda Lodi para ministrar a disciplina Metodologia da Aritmética na Escola de Aperfeiçoamento e no Curso de Administração Escolar para suas alunas-professoras. Buscamos entender, mediante a análise de documentos do APAL, a formação e a atuação da professora Alda Lodi na formação de professoras para a escola primária mineira. Dois referenciais teórico-metodológicos nos inspiraram: o Paradigma Indiciário, de Carlo Ginzburg, e a Hermenêutica de Profundidade, de John B. Thompson. Concluímos que práticas inovadoras e tradicionais se imbricaram no fazer docente de Alda Lodi para a constituição de uma atuação singular, que incorporou propostas escolanovistas aos conhecimentos e crenças da professora. Avaliamos que uma dimensão fundamental dessa atuação reside no papel da Igreja Católica em Minas Gerais. Em síntese, Alda Lodi realizou apropriações de novas ideias para ensinar as professoras primárias a ensinar a aritmética sem abrir mão de concepções mais antigas. Essa mescla produziu, segundo nossa leitura, um discurso e uma atuação marcados pelo hibridismo.

Referências

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 2reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GOMES, Hilda. Caderno. Belo Horizonte, s/d.

MATOS, M. do C. de. Formação docente e integração curricular - proposta do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação/UEMG. Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: UERJ/RJ. 2009.

MATOS, M. do C. de; LOPES, A. A. B. de M. O Curso de Administração Escolar: importância e influência na Educação mineira. Educação em Foco. Ano 14 - n. 17 - julho - p. 13-35. Belo Horizonte: Faculdade de Educação/Campus BH/UEMG, 2011.

OTERO-GARCIA, S. C.; SILVA, T. T. P. da. Pressupostos da Hermenêutica das Profundidades e suas potencialidades para a pesquisa em Educação Matemática. Revista Acta Scientiae. Canoas; v.15, n. 3, p. 551-571, 2013.

PRATES, M. H. O. A introdução oficial do movimento da escola no ensino público de Minas Gerais: a Escola de Aperfeiçoamento. Dissertação de Mestrado em Educação, FaE/UFMG. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: UFMG, 1989.

SOUZA, A. L. de. Lúcia Casasanta: uma janela para a vida. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1984.

SOUZA, R. de C. Sujeitos da educação e práticas disciplinares: uma leitura das reformas educacionais mineiras a partir da Revista do Ensino (1925-1930). 2001. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

THOMPSON, J. B. Ideologia e Cultura Moderna: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 9 ed. Petrópolis: Vozes. 2011.

VIDAL, D. G.; FARIA FILHO, L. M. de. As lentes da história: estudos de história e historiografia da educação no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

Publicado
2022-01-07
Como Citar
Reis, D. A. de F., & Gomes, M. L. M. (2022). Ensinar a Ensinar Aritmética na Escola Renovada Mineira: inovação dentro da tradição . Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (2), 476-486. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/15147
Seção
Sessões Coordenadas