Escola do campo: construção de uma matriz formativa e o trabalho como princípio educativo

  • Adalberto Penha de Paula Universidade Federal do Paraná
  • Marina Comerlatto da Rosa Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: Educação do campo. Política educacional. Organização escolar.

Resumo

Este estudo é um recorte da pesquisa intitulada “Educação do campo: desafios para implementação de uma política educacional das escolas do campo”, realizada no Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Discute-se a escola do campo, a política educacional de educação do campo no Estado do Paraná e o trabalho como matriz formativa. A metodologia é de natureza exploratória com levantamento bibliográfico e documental, foram analisadas as Diretrizes Curriculares da Educação do Campo do Estado do Paraná (2010), a fim de identificar a categoria trabalho na proposição da ação docente nas escolas do campo, fundamenta-se em Moura; Lima Filho; Silva (2015), Saviani (2007), Frigotto (2007), Enguita (1989).  As conclusões apontam a importância do trabalho como princípio educativo na organização escolar, uma escola do campo que se constitui em seu conteúdo e forma de modo contra hegemônico, contribuindo para romper com as práticas pedagógicas da escola burguesa. Ao optar pela categoria trabalho na organização pedagógica e escolar, a escola toma uma posição contra hegemônica, política e pedagogicamente oposta as imposições dos padrões escolares fundamentados nos princípios da lógica capitalista. No caso da escola do campo é construir uma escola com práticas emancipatórias, de superação ao projeto de campo do latifúndio e do agronegócio, contribuindo com outros setores da sociedade no enfrentamento do capital. Para tal é necessário a participação da sociedade civil na luta pela efetivação e garantia de políticas educacionais de educação do campo, que atendam as demandas da realidade das escolas do campo.

Biografia do Autor

Adalberto Penha de Paula, Universidade Federal do Paraná
Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente da Universidade Federal do Paraná (UFPR - Setor Litoral), no curso de Licenciatura em Educação do Campo.
Marina Comerlatto da Rosa, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Licenciada em Ciências Biológicas, Mestre em Gestão do Território pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzalez. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011.

BENJAMI, Cesar. ; CALDART, Roseli Salete. (Orgs.). Projeto popular e escolas do campo. v. 3. Brasília: Fundação Universidade de Brasília, 2000.

CAMINI, Lucia. Reformas do Estado e Construção das Políticas Educacionais no Rio Grande do Sul no período de 1999-2002: avanços, limites e contradições. In: Vera Maria Vidal Peroni; Vera Lúcia Bazzo; Ludimar Pegoraro. (Org.). Dilemas da Educação Brasileira em tempos de Globalização Neoliberal: entre o público e o privado. 1ª ed. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2006.

CAMPOS, Marília; OLIVEIRA, Lia Maria Teixeira. Educação Básica do Campo. In: CALDART, R. S.; PEREIRA, I. B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

ENGUITA, Fernandez Mariano. Do lar à fábrica, passando pela sala de aula: a gênese da escola de massa. In: ____ A face oculta da escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989. Cap. 4, p.105-131.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os empresários e a política educacional: como o proclamado direito à educação de qualidade é negado na prática pelos reformadores empresariais. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 6, n. 1, p. 48-59, jun. 2014.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Fundamentos científicos e técnicos da relação trabalho e educação no Brasil de hoje. In: LIMA, Julio Cesar França; NEVES, Lucia Maria Wanderley. Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Fiocruz/EPSJV, 2007, p. 241-287.

GRAMSCI, Antonio. Caderno 12. Os intelectuais. O princípio educativo. In: Cadernos do cárcere. Tradução de: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

______. Cadernos do cárcere, v. 3. Tradução de: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 4 ed. 2011.

MOURA, Dante Henrique; LIMA FILHO, Domingos Leite; SILVA, Mônica Ribeiro. Politecnia e formação integrada: confrontos conceituais, projetos políticos e contradições históricas da educação brasileira. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 63, p.1057-1080, 2015.

PARANÁ. Secretária de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação do Campo, Curitiba: SEED/ PR, 2010.

RIBEIRO, Marlene. Movimento Camponês, trabalho e educação: liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SOUZA, Maria Antonia. Educação do campo: propostas e práticas pedagógicas do MST. Petrópolis: Vozes, 2006.

_______ Educação e movimentos sociais do campo: a produção do conhecimento no período de 1987 a 2007. Curitiba: Ed. UFPR, 2010.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.34, p. 152-165, 2007.

Publicado
2017-12-04
Seção
Artigos