LER LITERATURA, RECONHECER O PATRIMÔNIO – REFLEXÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

  • Nilma Gonçalves Lacerda Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: História cultural. Literatura. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN)

Resumo

Este ensaio objetiva fundamentar o conceito de literatura como patrimônio, considerados os valores de bem comum universal e a necessidade de sua preservação e contínua transmissão à humanidade. Contudo, sendo a própria literatura um dos espaços em que se pode constatar a presença do patrimônio artístico e cultural de uma nação, o estudo avança no intuito de oferecer reflexões à formação docente continuada, com destaque para a formação do leitor crítico. Espera-se reconhecer o valor da leitura literária e sua contribuição à consciência de que somos todos herdeiros de bens recebidos de gerações anteriores, mas igualmente produtores de bens que serão herança para as gerações vindouras.

Biografia do Autor

Nilma Gonçalves Lacerda, Universidade Federal Fluminense

Faculdade de Educação, Departamento  Sociedade, Educação Conhecimento.

Área: formação de professores de Letras, especialização em Literatura para Crianças e Jovens. 

Referências

BANKS, Kate; HALLENSLEBEN, Georg. Um presente do mar. Trad. Galiana Lindoso. São Paulo: Cosac & Naify, 2000.

BARTHES, Roland. Aula; aula inaugural da cadeira de Semiologia Literária do Colégio de França. Trad. e posf. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, s/d.

CHARTIER, Roger, dir. Práticas da leitura. Iniciativa Alain Paire. Tradução Cristiane Nascimento. Introdução Alcir Pécora. 2. ed. Rev. 1 reimp. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

______; SANT’ANNA, Afonso Romano de. Leitura: patrimônio pessoal; ler o mundo. Mesa-redonda. Rio de Janeiro: Primavera dos Livros, 28/9/2012. Anotações pessoais.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: ___. Vários escritos. 4. ed. reorganizada pelo autor. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul; São Paulo: Duas Cidades, 2004.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Trad. Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 1994.

GERSÃO, Teolinda. Os anjos. 2. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2000.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda, RÓNAI, Paulo. Mar de histórias; antologia do conto mundial II: do fim da Idade Média ao Romantismo. 2. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1979.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? 4.ed. Trad. António Fernando Cascais e Eduardo Cordeiro. Pref. José A. B. de Miranda e António Fernando Cascais. Lisboa: Passagens, 2002.

HOUAISS ELETRÔNICO. Versão monousuário 1.0. Junho de 2009. Prod. e dist. Editora Objetiva.

LACERDA, Nilma Gonçalves, cons. Casa da Leitura: presença de uma ação. Filosofia e perfil da Casa da Leitura – Programa Nacional de Incentivo à Leitura / PROLER. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional; Casa da Leitura / Proler, 2009.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. 2ª reimp. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

RAMOS, Graciliano. Infância. 23 ed. Il. Darcy Penteado; posfácio Octavio de Faria. Rio: Record, 1986.

REZENDE, Maria Beatriz, org. Patrimônio e leitura: catálogo temático de literatura infantojuvenil. Rio de janeiro: IPHAN/Copedoc; Niterói: PROALE/ UFF, 2014.

ROCHA, Ruth. Marcelo, marmelo, martelo e outras histórias. 7. ed. São Paulo: Cultura, 1982.

VIEIRA, Alice. Os olhos de Ana Marta. São Paulo: Edições SM, 2005.

SANTIAGO, Silviano. O cosmopolitismo do pobre: crítica literária e crítica cultural. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

Publicado
2015-05-26
Seção
Artigos