PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DE FÍSICA QUANTO ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS

Palavras-chave: Tecnologias Digitais, Ensino de Física, Educação Tecnológica

Resumo

Este artigo é norteado pelos resultados de uma pesquisa que buscou refletir e relacionar perspectivas e práticas docentes às tecnologias digitais. A metodologia utilizada desdobrou-se por meio de pesquisa qualitativa, em uma perspectiva de estudo de caso, cujo instrumento utilizado foi entrevista semiestruturada onde todos os sujeitos são professores de física e candidatos ao ingresso a um curso de mestrado profissional em ensino de física. Hoje em sala de aula, parte dos professores que lecionam física não possuem formação adequada na área, desta forma, a parcialidade do conhecimento na área corrobora para o distanciamento do uso das tecnologias digitais. O objetivo geral da pesquisa que originou esse artigo foi mapear se as concepções desses sujeitos sobre o conceito de tecnologia digital, suas reflexões, as possíveis utilizações que incidem em suas salas de aula. Buscamos investigar se suas formações iniciais promoveram tais discussões ou se sua práxis cotidiana foi determinante nesse processo, devido ao fato de vislumbrarmos a utilização e apropriação das tecnologias digitais, enquanto potenciais vetores cognitivos. Não obstante, apesar de sabermos sobre ofertas de cursos de formação que propõem a utilização das tecnologias digitais, constata-se que o uso dessas como meta final não é capaz de fazer refletir e mudar práticas tradicionais. Nesta direção, pensamos ser fundamental que professores em processos de formação aprendam e reflitam acerca do conceito de tecnologia e a respeito de seus impactos na sociedade. Torna-se ainda imperioso pensar acerca do ensino onlife pelo qual se consolide um (re)pensar via tecnologia digital, coletivo e planejado alinhado com as demandas sociais na contemporaneidade promovendo contributos a futuros cidadãos adentrarem a um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e tecnológico, pensando a utilização das tecnologias digitais em suas vidas cotidianas e amparando-os nesse processo que os empodere quanto aos exercícios de sua cidadania em viés crítico, emancipatório e coletivo.

Biografia do Autor

Silvana Da Dalt, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Engenharia de Materiais e Licenciada em Física. Atualmente professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Membro do Grupo de Pesquisa e Estudos em Tecnologias onde atua nos temas de Ensino de Física e Tecnologias Digitais.

Mônica Regina Garcez, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Engenharia de Civil, professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e bolsista de produtividade CNPq nível 2. Membro do Grupo de Pesquisa e Estudos em Tecnologias Digitais e Formação Docente com professores da UNIRIO, UFSC, UFRGS, FGV e Unisinos.

Tarliz Liao, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professor adjunto na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e líder de pesquisa do Grupo de Pesquisa e Estudos em Tecnologias (GEPETEC) atuando nos temas sobre Tecnologias Digitais e Educação Matemática.

Referências

ALVES, Z.M.M.B.; SILVA, M.H.G.F. Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, Fev/Jul. 1992.

ANDRÉ, M. E. D. A. Texto, contexto e significado: algumas questões na análise de dados qualitativos. N.2. Cadernos de Pesquisa. 1983.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Básica de 2020, Brasília, 2020. Disponível em: https://link.ufms.br/3rbgJ. Acesso em: 16 jul. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria. 343, de 17 de março de 2020. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, edição 53, pg. 39, 17 de março 2020. Disponível em: https://link.ufms.br/daXLO. Acesso em: 03 ago. 2021.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra,2000.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. Companhia Editora Nacional.10ª edição. 1982.

DUSEK, V. Filosofia da Tecnologia: uma introdução. Oxford: Blackwell Publishing, 2006.

ELLUL, J. A técnica e o desafio do século. São Paulo: Paz e Terra, 1968.

FERNANDES, M.E. Memória Camponesa. In: REUNIÃO ANUAL DE PSICOLOGIA, 21, 1991, Ribeirão Preto. Anais[...]. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Psicologia. 1991.

FRANCO, C.P. Understanding digital natives learning experiences. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v.13, n.3, p.643-658, 2013.

GARUTTI, S.; FERREIRA, V.L. Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação. Revista Cesumar, Maringá-PR, v.20, n.2, p. 355-372, 2015. Disponível em: https://link.ufms.br/Kppza. Acesso em: 23 maio. 2019.

KUCHARSKI, M.V.S. Fundamentos de Inovação e Tecnologia na Educação. Livro impresso. Especialização em Inovação e Tecnologias na Educação (INTEDUC)– Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2019. Disponível em: https://link.ufms.br/gNStS. Acesso em: 20 maio 2020.

LIAO, T.; MOTTA, M.S. Interregno educacional e o cambiar de paradigmas no chão da escola: realidades e simulações. In: Inovações e tecnologias digitais na educação: uma busca por definições e compreensões. (org.) MOTTA, M.S. KALINKE, M.A. Life Editora. Campo Grande - MS. p.291-318. 2021.

MAURINA, K.C. (Re)visando Física: moodle, conectivismo e aprendizagem multimídia. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Inovação e Tecnologias na Educação) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

METTEL,T. P. L. Reflexões sobre a metodologia observacional de enfoque etológico aplicada em pesquisas com excepcionais. Anais da 18º Reunião Anual de Psicologia. SPRP. Ribeirão Preto. 253-256. 1988.

MOREIRA, M.A. Uma análise crítica do ensino de Física. Estudos Avançados, São Paulo,v.3, n.94,Set./Dec., 2018.Disponível em: https://link.ufms.br/XaQMY. Acesso em: 20 maio 2019.

MOREIRA, J.A.; SCHLEMMER, R. Por um novo conceito e paradigma de Educação Digital Onlife. Revista UFG, Goiás, v. 20, n. 26, p. 1-35,2020.

MOTTA. M.S. Formação Inicial do Professor de Matemática no Contexto das Tecnologias Digitais. Contexto & Educação, Ijuí-RS, v. 32, n. 102, p. 170-204, 2017. Disponível em: https://link.ufms.br/St9tC. Acesso em: 31 out. 2020.

OLIVEIRA, João Paulo de. O ensino das Leis de Newton por meio da utilização de aplicativos educacionais móveis criados no App. Inventor 2. 2020. Dissertação (Mestrado em Formação Científica, Educacional e Tecnológica) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

PRENSKY, M. From Digital Natives to Digital Wisdom: hopeful essays for 21st century learning. California: Corwin, 2012b.

QUEIROZ, M. I. P. Relatos orais: do "indizível ao "dizível". Ciência e Cultura. São Paulo. 1987.

ROCHA BRUNO, A; COUTO, J. L. P. Culturas Contemporâneas: o digital e o ciber em relação. Educação e Cultura Contemporânea, v. 16, p. 95-122, 2019.

RUIZ, A.I.; RAMOS, M.N.; HINGEL, M. Escassez de Professores no Ensino Médio: Propostas Estruturais e Emergenciais. Ministério da Educação. 2007. Disponível on-line: https://link.ufms.br/6Yce4. Acesso em: 15 de jun. 2020.

SCHUHMACHER, V. R. N., FILHO, J.P. A., SCHUHMACHER E. As barreiras da prática docente no uso das tecnologias de informação e comunicação. Ciênc. Educ., Bauru, v. 23, n. 3, p. 563-576, 2017.

VEEN, W.; VRAKKING, B. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Publicado
2021-12-27
Como Citar
Da Dalt, S., Garcez, M. R., & Liao, T. (2021). PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DE FÍSICA QUANTO ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS . Revista Edutec - Educação, Tecnologias Digitais E Formação Docente, 1(1), 27. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/EduTec/article/view/13674
Seção
Dossiê: Educação e tecnologias digitais em cenários de transição